Teletrabalho: 70% das empresas pretendem adoptar um sistema misto depois da pandemia

68% dos directores de Recursos Humanos inquiridos para o Barómetro RH 2020/21, realizado pelo Kaizen Institute, afirmaram que a sua empresa adoptou ou vai adoptar um modelo misto de trabalho, numa lógica de complementaridade entre teletrabalho e trabalho presencial. Destas, 86% planeiam manter 2 ou mais dias de trabalho remoto por semana. Ainda que a maioria das empresas pretenda adoptar ler mais…

Teletrabalho, liderança e confiança: o exemplo tem de vir de cima

Num anterior artigo intitulado “O teletrabalho e o isolamento dos chefes” (LM 175) chamei a atenção para a incompatibilidade entre o teletrabalho e a cultura de “presentismo” que ainda impera em muitas organizações, brincando com a hipótese de os propalados receios em relação ao isolamento dos trabalhadores remotos fosse, na realidade, a expressão do temor de solidão dos próprios chefes, ler mais…

O teletrabalho e o isolamento dos chefes

Muita da abundante literatura recentemente produzida sobre o teletrabalho, estimulada pelas condições particulares criadas pela pandemia de Covid-19, focaliza-se no problema do isolamento do trabalhador, chamando a atenção para os riscos da solidão e do isolamento a que está remetido no seu domicílio, privado do contacto com os colegas e as chefias. Desde logo, esta noção parte de uma premissa ler mais…